I Seminário Internacional e III Seminário Nacional: Agrotóxicos, Impactos Socioambientais e Direitos Humanos

I Seminário Internacional e III Seminário Nacional: Agrotóxicos, Impactos Socioambientais e Direitos Humanos

Conheça o Evento
Grupos de Trabalho (GT's)
Normas para Envio de Trabalhos
Programação do Evento
Baixar Folder do Evento
Coletiva de Imprensa - Vandana Shiva
Conheça a Cidade de Goiás
Materiais para Divulgação
Restaurantes, Hotéis e Translado
Doações para o Evento
Inscreva-se no Evento (Inscrições Gratuitas)

Conheça o Evento

O “I Seminário Internacional - III Seminário Nacional: Agrotóxicos, Impactos Socioambientais e Direitos Humanos”, em sua terceira edição, a ser realizada na Cidade de Goiás/GO, entre 10 e 13 de dezembro de 2018, tem como objetivo geral estabelecer espaço de divulgação científica e popular em torno da temática dos agrotóxicos, assim como consolidar espaços de formação e articulação (nacional e internacional) sobre os direitos humanos no que se relacionam à questão dos impactos socioambientais gerados por estes produtos e pelo modelo de desenvolvimento que os sustentam. Objetiva ainda consolidar uma rede internacional de pesquisadores nos campos da saúde, meio ambiente, direitos humanos, comunicação e cultura, para fortalecer o desenvolvimento científico-tecnológico nas diferentes áreas envolvidas na investigação sobre os agrotóxicos.

O atual paradigma produtivo hegemônico no campo brasileiro foi consolidado, em especial, a partir da implantação do pacote tecnológico da Revolução Verde nos 1960. Esse modelo de desenvolvimento para o campo se baseou na mecanização, na pesquisa genética e no uso intensivo de fertilizantes e agrotóxicos. Embora tenha elevado a produtividade de grãos no país, este paradigma elevou os impactos socioambientais, impactando tanto a natureza (contaminação de rios, vegetação, ar, animais) quanto as pessoas (intoxicação de trabalhadores, elevação de casos de câncer, contaminação por via alimentar). Enquanto o investimento em pesquisa de produtos agrotóxicos cresceu progressivamente, o mesmo não aconteceu com a pesquisa em torno dos impactos dos agrotóxicos para a saúde e o ambiente natural. Este cenário gera violações cotidianas aos direitos humanos de trabalhadores do campo e da indústria agroquímica, trabalhadores da saúde, além dos próprios consumidores que consomem alimentos e água contaminados.

Uma leitura mais aprofundada pode ser realizada no Dossiê Abrasco (https://www.abrasco.org.br/dossieagrotoxicos/wp-content/uploads/2013/10/DossieAbrasco_2015_web.pdf), produto com o qual os organizadores do evento proposto contribuíram. No sentido de debater estas questões e construir processos científicos para discussão dos impactos dos agrotóxicos, foi realizado em 2014 o “I Seminário Nacional: Agrotóxicos, Impactos Socioambientais e Direitos Humanos”. Neste primeiro evento, que resultou na publicação “Agrotóxicos: violações socioambientais e direitos humanos no Brasil” (http://contraosagrotoxicos.org/wp-content/uploads/2018/02/LIVRO_Agrot%C3%B3xicos_Violaes-Socioambientais-e-Direitos-Humanos-no-Brasil.pdf), foram estabelecidas parcerias científicas importantes para a discussão da temática. Em 2016 foi realizado o “II Seminário Nacional: Agrotóxicos, Impactos Socioambientais e Direitos Humanos”, que também resultou no avanço científico em torno da temática, sendo que o livro resultante do evento está em processo final de editoração. Esta segunda edição do evento deu início, ainda, à um diálogo com pesquisadores e profissionais da saúde da Argentina, além das articulações entre diferentes instituições de pesquisa em todo o território brasileiro.

A proposta de realização do “I Seminário Internacional - III Seminário Nacional: Agrotóxicos, Impactos Socioambientais e Direitos Humanos” atende a uma demanda de ampliação e consolidação do debate internacional sobre a questão dos agrotóxicos e sua relação (a partir da saúde e meio ambiente) com os direitos humanos. Neste evento, além do fortalecimento da articulação nacional, esperamos fortalecer rede de pesquisadores internacional. Participarão representantes de instituições de pesquisa e direitos humanos da Argentina, Uruguai, Paraguai, Bolívia, México, entres outros, além da participação da pesquisadora e ativista indiana (Vandana Shiva) referência mundial na temática dos agrotóxicos e da agroecologia.

O evento será constituído por conferências, mesas redondas, espaços de diálogo e grupos de trabalho, estabelecendo relações sólidas e construindo caminhos a partir das pesquisas apresentadas. Esperamos contribuir com o desenvolvimento científico e popular da temática, fortalecendo também a inserção e/ou fortalecimento dos saberes populares neste debate. Os Espaços de Diálogo serão momentos para apresentação de trabalhos a serem enviados livremente pelos participantes, enquanto os Grupos de Trabalho serão espaços para debate e articulação em torno da questão dos agrotóxicos e da resistência popular ao modelo de desenvolvimento baseado nestes produtos .


Foto: Pablo Piovano

Grupos de Trabalho (GT's)

Os Grupos de Trabalho (GT's) são espaços de discussão, articulação e encaminhamento em torno de diferentes linhas de pesquisa e ação na temática dos agrotóxicos, dos transgênicos e novas biotecnologias, assim como sobre as variadas estratégias de resistência popular aos efeitos do modelo de desenvolvimento representado pelo agronegócio. Cada GT será coordenado e relatado por especialistas em cada linha de discussão, contando com a fala de debatedores que apresentarão elementos para as articulações científicas e populares, gerando redes de ações concretas. Estão planejados 6 (seis) GT's, como vemos a seguir. Selecione o GT de sua preferência no ato da inscrição.

GT 1: Agrotóxicos, transgênicos e impactos sobre a saúde


GT 2: Agrotóxicos: marco legal e estratégias de enfrentamento jurídico


GT 3: Impactos ambientais dos agrotóxicos, transgênicos e das novas biotecnologias e direitos da natureza


GT 4: Políticas públicas e articulações na luta contra os agrotóxicos e transgênicos


GT 5: Populações atingidas pelos agrotóxicos, estratégias de resistência e direito humano à agroecologia


GT 6: Lutas e estratégias de comunicação no enfrentamento aos agrotóxicos e anúncio da agroecologia


Normas para Envio de Trabalho

Os trabalhos admitidos para apresentação no “I Seminário Internacional e III Seminário Nacional: Agrotóxicos, Impactos Socioambientais e Direitos Humanos”, poderão ser enviados em três modalidades diferentes: Resumos Expandidos, Trabalhos Completos e Relatos de Experiência. Todas as modalidades de trabalhos enviada serão apresentadas em 7 (sete) diferentes Espaços de Diálogo (ED) e, posteriormente, publicadas nos Anais do Evento. Os melhores trabalhos completos selecionados pela Comissão Científica poderão também ser publicados em revistas científicas qualificadas nas áreas do conhecimento referentes à temática do evento. Seguem as normas específicas para cada uma das modalidades de trabalho.

RESUMOS EXPANDIDOS

O Resumo Expandido deverá ter no mínimo 3 e no máximo 5 páginas, em Folha A4, com letra Arial 12, Margens (superior, inferior, esquerda e direita) 2,5 cm, espaçamento entre linhas de 1,5. Os trabalhos deverão conter, obrigatoriamente: Introdução (contendo objetivo e metodologia), Resultados Parciais ou Finais/Discussão, Considerações Finais e Referências. O título deve estar centralizado, em caixa alta e em negrito, seguido pelo nome dos autores, credenciais/instituição de origem e endereço de e-mail. As referências deverão estar de acordo com as normas ABNT-NBR 6023 de agosto de 2002. As citações no texto deverão estar de acordo com as normas ABNT-NBR 10520 de julho de 2002. Os Resumos Expandidos selecionados e apresentados serão publicados nos Anais do I Seminário Internacional e III Seminário Nacional: Agrotóxicos, Impactos Socioambientais e Direitos Humanos, no sistema eletrônico de publicações da Universidade Estadual de Goiás (UEG).

TRABALHOS COMPLETOS

Os Trabalhos Completos deverão ter no mínimo 8 e no máximo 12 páginas, em Folha A4, com letra Arial 12, Margens (superior, inferior, esquerda e direita) 2,5 cm, espaçamento entre linhas de 1,5. Os trabalhos deverão conter: Introdução (contendo objetivo e metodologia/materiais e métodos), Resultados Parciais ou Finais/Discussão, Considerações Finais e Referências. A estrutura dos trabalhos completos poderá ser alterada de acordo com a necessidade da área de conhecimento. O título deve estar centralizado, em caixa alta e em negrito, seguido pelo nome dos autores, credenciais/instituição de origem e endereço de e-mail. As referências deverão estar de acordo com as normas ABNT-NBR 6023 de agosto de 2002. As citações no texto deverão estar de acordo com as normas ABNT-NBR 10520 de julho de 2002. Os trabalhos completos serão publicados nos Anais do I Seminário Internacional e III Seminário Nacional: Agrotóxicos, Impactos Socioambientais e Direitos Humanos. Os melhores trabalhos completos, a serem selecionados pela Comissão Científica, serão indicados para publicação, de acordo com edital específico e com as normas de avaliação específicas, na Revista da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Goiás (UFG), que possui Qualis A2 no sistema de avaliação da CAPES.

RELATOS DE EXPERIÊNCIA

O Relato de Experiência deverá ter no mínimo 3 e no máximo 5 páginas, em Folha A4, com letra Arial 12, Margens (superior, inferior, esquerda e direita) 2,5 cm, espaçamento entre linhas de 1,5. Os trabalhos deverão conter: Introdução, Desenvolvimento, Considerações Finais e Referências (Caso existam). Os relatos de experiências poderão ser apresentados em outros formatos (vídeos, mostras fotográficas, demonstração de experiências, etc.), a serem consideradas e avaliadas pela Comissão Científica do evento, desde que não extrapolem o tempo de apresentação estabelecido para os demais trabalhos apresentados. Os relatos de experiência serão publicados nos Anais do I Seminário Internacional e III Seminário Nacional: Agrotóxicos, Impactos Socioambientais e Direitos Humanos. Relatos de Experiência apresentados em outros formatos, que não o textual, serão adaptados caso haja necessidade, de acordo com diálogo com os autores e autoras.

ENVIO DOS TRABALHOS

Todos os trabalhos deverão ser enviados para o seguinte e-mail: trabalhosgwata@hotmail.com. Qualquer dúvida referente às normas poderá ser enviada ao mesmo e-mail. Os autores/autoras deverão indicar no corpo do e-mail a partir de qual Espaço de Diálogo (apresentados no próximo item deste documento) seus trabalhos deverão ser avaliados.
DATA PARA ENVIO: Até o dia 10/11/2018. Prazo prorrogado até 30/11/2018.
RESULTADO FINAL: Até o dia 30/11/2018. Até o dia 05/12/2018. O resultado da avaliação será enviado por e-mail (para o mesmo endereço de e-mail utilizado pelos autores/autoras para envio do trabalho), e disponibilizado na página do evento (www.gwata.ueg.br).
OBSERVAÇÃO: O ENVIO DE TRABALHOS E SEU POSTERIOR DEBATE NOS ESPAÇOS DE DIÁLOGO SÃO ESSENCIAIS NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO, POR ISSO, NÃO DEIXEM DE ENVIAR SUAS CONTRIBUIÇÕES A TEMPO. EM FUNÇÃO DO CURTO PERÍODO PARA AVALIAÇÃO, NÃO HAVERÁ PRORROGAÇÃO DO PRAZO PARA ENVIO DE TRABALHOS.

ESPAÇOS DE DIÁLOGO (ED)

ESPAÇO DE DIÁLOGO 1: Agronegócio, Agrotóxicos e direitos humanos: marco legal, políticas públicas e prática jurídica

Resumos expandidos, trabalhos completos e relatos de experiência relacionados à discussão jurídica do agronegócio, dos agrotóxicos e dos transgênicos e novas biotecnologias relacionadas à produção agropecuária. Aqui também se enquadram as propostas relacionadas à questão das políticas públicas e suas relações com os direitos humanos.

ESPAÇO DE DIÁLOGO 2: Agrotóxicos, transgênicos, novas biotecnologias e efeitos socioambientais

Resumos expandidos, trabalhos completos e relatos de experiência relacionados aos impactos sociais e ambientais causados pela indústria do agronegócio/agrotóxicos, incluindo questões relacionadas aos impactos sobre os bens naturais e, consequentemente, aos povos do campo e da cidade. Também se inserem neste espaço impactos diretos à natureza, como polinizadores, águas, solos, ar, entre outros.

ESPAÇO DE DIÁLOGO 3: Efeitos dos agrotóxicos, transgênicos e novas biotecnologias à Saúde, Segurança/Soberania alimentar

Resumos expandidos, trabalhos completos e relatos de experiência relacionados aos impactos à saúde humana e à segurança/soberania alimentar das populações do campo e da cidade. Questões direcionadas ao debate sobre a contaminação de alimentos com agrotóxicos e aos problemas de saúde causados pela exposição aos agrotóxicos, incluindo casas de intoxicações agudas e crônicas, e outras temáticas afins.

ESPAÇO DE DIÁLOGO 4: Agroecologia: alternativas aos agrotóxicos, transgênicos e novas biotecnologias

Resumos expandidos, trabalhos completos e relatos de experiência relacionados à resistência camponesa e/ou popular ao projeto do agronegócio e à construção de propostas alternativas ao modelo hegemônico congregado pela indústria agroquímica. Trabalhos relacionados à agroecologia, agricultura orgânica, agrofloresta, entre outras temáticas e experiências que constroem propositivamente a resistência ao agronegócio.

ESPAÇO DE DIÁLOGO 5: Comunicação e cultura contra-hegemônica: saberes e estratégias locais de resistência aos agrotóxicos, transgênicos e novas biotecnologias

Resumos expandidos, trabalhos completos e relatos de experiência relacionados aos processos de comunicação científicos e populares, incluindo as novas mídias sociais, que possibilitam a resistência na luta contra os agrotóxicos. Se inserem aqui textos que discutam e reflitam também sobre a cultura como resistência aos agrotóxicos.

ESPAÇO DE DIÁLOGO 6: Educação popular, educação do campo e educação em agroecologia como instrumentos de enfrentamento aos agrotóxicos e transgênicos

Resumos expandidos, trabalhos completos e relatos de experiência relacionados aos processos de educativos em suas diferentes vertentes teóricas e práticas. Podem ser incluídas neste espaço trabalhos relacionados ao ensino formal e informal que debate a temática dos agrotóxicos e anuncia a agroecologia como alternativa à construção de um novo paradigma no campo e na cidade.

ESPAÇO DE DIÁLOGO 7: Campesinato, povos indígenas, comunidades quilombolas, populações tradicionais: resistência cultural e política aos agrotóxicos e transgênicos

Resumos expandidos, trabalhos completos e relatos de experiência relacionados aos processos de resistência dos povos do campo e da cidade aos agrotóxicos e transgênicos. Aqui se incluem todos os trabalhos e experiências daqueles que sofrem os efeitos e lutam por uma nova perspectiva produtiva e de vida. Muito importante aqui a apresentação das diferentes formas de resistência também das populações urbanas.

APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS

Todos os trabalhos serão apresentados em forma de comunicação oral nos Espaços de Diálogo (de acordo com a temática) no dia 11/12/2018 entre às 8 e 12 horas. Os Espaços de Diálogo poderão ser divididos em mais de um espaço ou conjugados de acordo com o número de trabalhos recebidos. Cada apresentador terá até 15 minutos para sua apresentação. Será disponibilizado Projetor Multimídia, quadro e giz. As apresentações, respeitando o tempo indicado, poderão ser realizadas de formas alternativas, como vídeos, interpretações, mostras, etc.

Programação

Baixar Folder do Evento

10/12/2018 (Segunda-Feira)

09:00 às 16:00 - UEG Cora Coralina

Atividade Cultural
Grupo de Jongo Malungos de Angola da Vila Esperança

RODA DE CONVERSA 1
Agrotóxicos, transgênicos e impactos socioambientais

Carlos de Melo e Silva Neto (Coordenação)
GT Agrotóxicos e Transgênicos ABA

Fábio José da Silva
Sec. Municipal de Meio Ambiente/Município de Goiás

Valéria Pereira Santos
Campanha Nacional em Defesa do Cerrado

Robson de Sousa Moraes
Núcleo de Agroecologia e Educação do Campo/GWATÁ/UEG

Francco A. Neri de Souza e Lima
NEAST/UFMT

Débora Fernandes Calheiros
EMBRAPA PANTANAL/UFMT

Damián Marino
Argentina

Marianella Irigoyen
Advogada Especialista em Direito Ambiental/Equador

Alejandra Crespo
CODAPMA/Bolívia

Jaime Miguel Weber
RAPAL/Brasil

João Paulo do Vale Medeiros
Universidade Federal Fluminense/UFF

Leonardo Melgarejo
ABA/GT Agrotóxicos e Transgênicos

Claudiomir Silva Santos
GEMA/IFSULDEMINAS

Vicente Almeida
Agrônomo/Especialista em Impactos Ambientais

María Isabel Cárcamo Pavez
RAPAL/Uruguai

Fórum Combate aos Impactos dos Agrotóxicos

Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida

Movimentos Sociais

RODA DE CONVERSA 2
Educação do campo, educação em agroecologia e estratégias de enfrentamento aos agrotóxicos

Patrícia Tavares
ABA/GT Cultura e Comunicação

Maria Elena (vídeo conferência)
Human Rights Watch/Brasil

Douneto Ribeiro Costa
Escola Família Agrícola de Goiás/EFAGO

Hugo Alves dos Santos
Professor/Rio Verde/Goiás

Joyce de Almeida Borges
Núcleo de Agroecologia e Educação do Campo/GWATÁ/UEG

Uelinton Barbosa Rodrigues
Universidade Estadual de Goiás/UEG

Diogo de Souza Pinto
Instituto Federal de Goiás/IFG

Luiz dos Santos Neia
Escola Municipal Olimpya Angélica de Lima – Município de Goiás

Janaina Tude Sevá
OFUNGO/UFG

Secretaria Estadual de Educação - Goiás

Secretaria Municipal de Educação - Município de Goiás/GO

Fórum Combate aos Impactos dos Agrotóxicos

Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida

Movimentos Sociais

RODA DE CONVERSA 3
Agrotóxicos, transgênicos e efeitos sobre a saúde

Wanderlei Antonio Pignati
Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Ada Cristina Pontes Aguiar
Universidade Federal do Cariri (UFCA)

Aline do Monte Gurgel
Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ)/Pernambuco

Tiago Siqueira Barbosa Cabral
Fórum Saúde e Segurança do Trabalho (FSST)/MPT Rio Verde

Karen Friedrich
Ministério Público do Trabalho (MPT) Fórum Nacional de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos

Márcia Sarpa de Campos Mello
Instituto Nacional do Câncer (INCA)

Fernando Ferreira Carneiro
Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ)/Ceará

Raul Horácio Lucero
Universidad Nacional del Nordeste/Argentina

Javier Albea
Médico – Movimento Ciência Cidadã

Miryam Gorban
Cátedra Soberanía Alimentaria Facultad de Medicina de la Universidad de Buenos Aires

Fabricio dos Santos Ritá
Grupo de Estudos de Promoção de Saúde (GEPS) – IFSULDEMINAS

Eguimar Felício Chaveiro
Instituto de Estudos Socioambientais (IESA) – UFG

Nayana Caetano
Secretaria Municipal de Saúde – Cidade de Goiás

Lorena Nunes
SUVISA – Goiás

Luiza Medeiros
Instituto Federal Goiano/IFGOIANO

Representante SindSaúde/Goiás

Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida

Movimentos Sociais

19:00 às 22:00 - Teatro São Joaquim

Atividade Cultural
Mística de abertura - Levante Popular da Juventude

Fernanda Cruz

Elenízia da Mata

Entrega da Placa Marielle Franco


Foto: brasil247

Mesa de Apresentação/Acolhimento
Abertura Oficial do Evento

Selma Bastos
Prefeita Municipal

Dom Eugênio Rixen
Diocese de Goiás

Déborah Magalhães
Universidade Estadual de Goiás

Fernando Cabaleiro
Naturaleza de Derechos

Frei Marcos Lacerda
Comissão Dominicana de Justiça e Paz

Leonardo Melgarejo
Associação Brasileira de Agroecologia

Aguinel Lourenço da Fonseca
Comissão Pastoral da Terra

Jakeline Pivato
Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos

Representante Câmara Municipal de Goiás

Representante Povo Indígena

Representante Quilombola

Representante Movimentos Sociais

Representante Camponês/Camponesa

Mesa de Abertura

Wanderlei Pignati
Universidade Federal do Mato Grosso

Fátima Barros
Associação Nacional Quilombola

Juvana Xakriabá
Povo Xakriabá

Murilo Mendonça Oliveira de Souza - Mediação
GWATÁ

Atividade Cultural
Performance Salve a Mata - Tor Teixeira

11/12/2018 (Terça-Feira)

08:00 às 12:00 - UEG Cora Coralina

Atividade Cultural
Poesias – Levante Popular da Juventude

Performance Diogo Souza

ESPAÇOS DE DIÁLOGO
Apresentação de Trabalhos

ED 1:Agronegócio, Agrotóxicos e direitos humanos: marco legal, políticas públicas e prática jurídica
Coordenação: Vitor Sousa Freitas (UFG)

ED 2:Agrotóxicos, transgênicos, novas biotecnologias e efeitos socioambientais
Coordenação: Ricardo Gomes Ribeiro (UnB), Geraldo M. da Silva (ABA)

ED 3:Efeitos dos agrotóxicos, transgênicos e novas biotecnologias à Saúde, Segurança/Soberania alimentar
Coordenação: Nayana Caetano (SS/PMG), Giselle Freitas (FCIA - Goiás)

ED 4:Agroecologia: alternativas aos agrotóxicos, transgênicos e novas biotecnologias
Coordenação: Diogo de Souza Pinto (IFG), Edson B. da Silva (GWATÁ/UEG)

ED 5:Comunicação, cultura e resistência contra-hegemônica aos agrotóxicos, transgênicos e novas biotecnologias
Coordenação: Luciene de O. Dias (FIC/UFG), Ralyanara M. Freire (UNICAMP)

ED 6:Educação popular, educação do campo e educação em agroecologia como instrumentos de enfrentamento aos agrotóxicos e transgênicos
Coordenação: Joyce de Almeida Borges (UEG), Uelinton B. Rodrigues (UEG)

ED 7:Campesinato, povos indígenas, comunidades quilombolas, populações tradicionais: resistência cultural e política aos agrotóxicos e transgênicos
Coordenação: Juvana Xakriabá (Povo Xakriabá)

ATIVIDADES PERMANENTES

Mostra Fotográfica
“EL COSTO HUMANO DE LOS AGROTOXICOS”
Pablo Piovano
Argentina

Mostra Fotográfica
“VIDAS PELO CERRADO”
Campanha Nacional em Defesa do Cerrado
Brasil

Mostra Fotográfica
“DOM PEDRO CASALDÁLIGA”
Douglas Mansur
Brasil

Mostra Fotográfica
“RIO VERMELHO DE TODAS AS CORES”
Patrícia Mousinho
Brasil

Mostra de Ilustrações do Livro
“A SAGA DO LOBINHO GUARÁ”
Autora: Suzy Pereira Simon
Ilustrador: Francisco Veiga
Brasil

Feira e Exposições
Livros, Materiais de Divulgação, Produtos da Agroecologia, etc.

Pintura em Painel
Ação cultural de vanguarda "Arte Para Resistir"
Edson Pintor

14:00 às 18:00 - UEG Cora Coralina

Atividade Cultural
Mística “América Latina”


Foto: @BRP_JJCC

RODA DE CONVERSA 4
Agrotóxicos na América Latina

Vandana Shiva
Navdanya – Índia

Fernando Cabaleiro
Naturaleza de Derechos – Argentina

Alejandra Crespo
Cordinadoria por el Medio Ambiente (CODAPMA) – Bolivia

Fernando Bejarano
Red de Acción sobre Plaguicidas y Alternativas en México (RAPAM) – México

María Isabel Cárcamo Pavez
Red de Acción en Plaguicidas y sus Alternativas para América Latina (RAPAL) – Uruguay

Saturnina Almada
Organización de Mujeres Campesinas e Indígenas (CONAMURI) – Paraguay

Marianella Irigoyen
Advogada Especialista em Direito Ambiental/Equador

Carla Hoinkes
Public Eye – Suiça

Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida

Unión de Científicos Comprometidos con la Sociedad y la Naturaleza de América Latina

Associação Brasileira de Agroecologia

Via Campesina

ATIVIDADES PERMANENTES

Mostra Fotográfica
“EL COSTO HUMANO DE LOS AGROTOXICOS”
Pablo Piovano
Argentina

Mostra Fotográfica
“VIDAS PELO CERRADO”
Campanha Nacional em Defesa do Cerrado
Brasil

Mostra Fotográfica
“DOM PEDRO CASALDÁLIGA”
Douglas Mansur
Brasil

Mostra Fotográfica
“RIO VERMELHO DE TODAS AS CORES”
Patrícia Mousinho
Brasil

Mostra de Ilustrações do Livro
“A SAGA DO LOBINHO GUARÁ”
Autora: Suzy Pereira Simon
Ilustrador: Francisco Veiga
Brasil

Feira e Exposições
Livros, Materiais de Divulgação, Produtos da Agroecologia, etc.

Pintura em Painel
Ação cultural de vanguarda "Arte Para Resistir"
Edson Pintor

19:00 às 22:00 - UEG Cora Coralina

Atividade Cultural
Paula de Paula

MESA REDONDA 1
Agrotóxicos, saúde, impactos socioambientais e direitos humanos

Karen Friedrich
Ministério Público do Trabalho (MPT)

Leonardo Melgarejo
GT Agrotóxicos e Transgênicos – ABA

Marianella Irigoyen
Advogada Ambientalista

Damián Marino
UCCSNAL

Pedro Serafim – Mediação
Fórum Nacional de Combate aos Agrotóxicos

12/12/2018 (Quarta-Feira)

09:00 às 17:00 - UEG Cora Coralina

Atividade Cultural
Grupo Vozes Coralinas

Grupo Movimentos Sociais do Campo - Direitos Humanos: Povo e Poder

GRUPOS DE TRABALHO
Debates e Articulações em Rede

GT 1: Agrotóxicos, transgênicos e impactos sobre a saúde e a soberania alimentar

Coordenação: Fernando Carneiro
Relatoria: Karen Friedrich

Debatedores:
Ada Pontes Aguiar - UFCA
Damián Marino - Argentina
Fernanda Savicki de Almeida - Fiocruz
Eguimar Felício Chaveiro - IESA
Otília maria Teófilo - Médica Homeopata
Bel coelho - Master Chef
Javier Albea - UCCSNAL
Miryam Gorban - Cátedra Soberania Alimentar
Lorena Nunes - SUVISA
Representante SINDISAÚDE
Representantes Movimentos Sociais
Representante Fórum Combate agrotóxicos

GT 2: Agrotóxicos: marco legal e estratégias de enfrentamento jurídico

Coordenação: Cleber A. R. Folgado
Relatoria: Naiara Bittencourt, Ranielle Caroline de Sousa

Debatedores:
José Geraldo de Sousa Júnior - UnB
Alexandre Bernardino Costa - UnB
Jorge Luiz Ribeiro de Medeiros - MPF
Tiago Ranieri - MPT
Fernando Cabaleiro - Naturaleza de Derechos
Fernando Berajano - RAPAM – México
Marianella Irigoyen - Equador
Representantes Movimentos Sociais
Representante Fórum Nacional Combate aos Agrotóxicos

GT 3: Impactos ambientais dos agrotóxicos, transgênicos e das novas biotecnologias e direitos da natureza

Coordenação: Robson de Sousa Moraes
Relatoria: Carlos de Melo e Silva Neto, Geraldo M. da Silva

Debatedores:
Débora Calheiros - EMBRAPA Pantanal
José Renato Barcelos - ABA/RS
Francco Antônio - NEASP/MT
Alejandra Crespo - CODAPMA
Maria Cárcamo Pavez - RAPAL
Leonardo Melgarejo - ABA
Ricardo Júnior de Assis F. Gonçalves - UEG
Aunil Muntazir – Movimento da Juventude do Paquistão
Representantes Movimentos Sociais

GT 4: Políticas públicas e articulações na luta contra os agrotóxicos e transgênicos

Coordenação: Carla Bueno
Relatoria: Ricardo Gomes Ribeiro, Patrícia Tavares

Debatedores:
Marcelino Galo - Dep. Estadual/Bahia Aderson Gouvêa - Vereador Cidade de Goiás Marina Lacorte - Greenpeace Mariana Marcon - Banquetaço Mauro Rubem - CUT Charles F. Martins - APREA-PR Maluh Barciotte - IIEC Representante - MST Representante - MCP Representante Fórum Nacional Combate aos Agrotóxicos Representante Comissão PNARA

GT 5: Populações atingidas pelos agrotóxicos, estratégias de resistência e direitos humano à agroecologia

Coordenação: Jakeline Pivato
Relatoria: Iara Jaime de Pina, Juarez Rodrigues Martins

Debatedores:
Hugo Alves dos Santos - Rio Verde
Fátima Barros - ANQ
Aguinel Lourenço - CPT
Saturnina Almada - CONAMURI
María Angélica Kees - Argentina
Gladstone Leonel Júnior - UFF
Wilson Mozena Leandro - UFG
Tainá Marajoara - Povo Marajoara
Juvana Xakriabá - Povo Xakriabá
Winti Suia - Povo Kisêdje
Kokowiritxi Suia - Povo Kisêdje
Rejane Paredes - APREA
Valéria Pereira Santos - Campanha Nacional em Defesa do Cerrado
Rodrigo Salles Pereira dos Santos - UFRJ

GT 6: Lutas e estratégias de comunicação no enfrentamento aos agrotóxicos e para o anúncio da agroecologia

Coordenação: Nilton José dos Reis Rocha
Relatoria: Luiza Damigo (Titi), Nadine do Nascimento

Debatedores:
Cristiane Passos - CPT
Pablo Piovano - Cineasta, fotógrafo
Beto Novaes - Cineasta
Marcio Venicio Nunes - TV Globo
Douglas Mansur - Fotógrafo
Luciene de Oliveira Dias - FIC/UFG
Angelita de Lima – FIC/UFG
Ana Aranha – Repórter Brasil
Mariana Campos - Greenpeace
Juana Hodari - Cineasta
Matheus William Alves Silva - Mídia Ninja

ATIVIDADES PERMANENTES

Mostra Fotográfica
“EL COSTO HUMANO DE LOS AGROTOXICOS”
Pablo Piovano
Argentina

Mostra Fotográfica
“VIDAS PELO CERRADO”
Campanha Nacional em Defesa do Cerrado
Brasil

Mostra Fotográfica
“DOM PEDRO CASALDÁLIGA”
Douglas Mansur
Brasil

Mostra Fotográfica
“RIO VERMELHO DE TODAS AS CORES”
Patrícia Mousinho
Brasil

Mostra de Ilustrações do Livro
“A SAGA DO LOBINHO GUARÁ”
Autora: Suzy Pereira Simon
Ilustrador: Francisco Veiga
Brasil

Feira e Exposições
Livros, Materiais de Divulgação, Produtos da Agroecologia, etc.

Pintura em Painel
Ação cultural de vanguarda "Arte Para Resistir"
Edson Pintor

09:00 às 17:00 - Cine Teatro São Joaquim

Atividade Cultural
Teatro de Formas Animadas - Ateliê Rosinha

Exibição de Filmes
CINE GWATÁ ESPECIAL

Bate-Papo Com
Hugo Alves dos Santos (Professor Escola do Campo - Rio Verde/GO)
Nallionay Cardoso Coutinho (Povo Krahô Kanela/MT)
Iolanda Divina de Aquino Leite (Educadora, Vereadora Goiás/GO) Mediação

Sinopse: O filme foi produzido e dirigido por Pablo Ernesto Piovano, na Argentina em 2014. Retrata um genocídio silencioso. Revela e denuncia os impactos que tem gerado vítimas das políticas e atividades das multinacionais do agronegócio. A obra é o resultado de viagens a regiões agrícolas da Argentina realizadas pelo diretor para retratar vítimas de contaminação por venenos que se utilizam em cultivos transgênicos.
Direção: Pablo Ernesto Piovano.
Tempo: 11 min.

Sinopse: O Documentário narra cinco anos depois que uma aeronave da empresa Aerotex Aviação Agrícola Ltda., no dia 3 de maio de 2013, sobrevoou a Escola Municipal Rural São José do Pontal, localizada na área rural do município de Rio Verde/GO, "pulverizando", com o veneno Engeo Pleno da Syngenta, aproximadamente 100 pessoas, entre elas crianças, adolescentes e adultos, que estavam na área externa do prédio em horário de recreio, onde algumas crianças e adolescentes, "encantados" com a proximidade que passava o avião, receberam elevadas "doses" de agrotóxico.
Direção: Dagmar Talga.
Tempo: 18 min.

Sinopse: O vídeo de animação aborda, por meio de facilitação gráfica, o tráfico de pessoas, as finalidades de exploração e os meios para prevenir e combater essa violação dos direitos humanos.
Direção: Repórter Brasil.
Tempo: 4 min.

Sinopse: A animação apresenta os principais problemas ambientais e sociais decorrentes da expansão da fronteira agropecuária, na área conhecida como Arco do Desmatamento na Amazônia. Também aborda as péssimas condições às quais são submetidos os trabalhadores que realizam atividades de limpeza de pasto, abertura de fazendas e produção de carvão vegetal para siderúrgicas; incluindo casos de trabalho escravo.
Direção: Repórter Brasil.
Tempo: 4 min.

Sinopse: Uma situação desigual que ocorre em meio às plantações de cana-de-açúcar na região do Pontal do Paranapanema, em especial junto aos municípios de Sandovalina e Mirante do Paranapanema. O canavial recebe regularmente cargas de agrotóxico, destinado ao manejo da planta, mas este mesmo veneno é aplicado de modo aéreo, com uso de aviões contratados pelas usinas. Quando o produto é despejado pelas aeronaves, parte considerável é dissipada pelo vento e encontra lugar junto aos lotes de assentamentos e ao mesmo tempo isto é extremamente prejudicial para diversos produtores.
Direção: Antonio Thomaz Junior.
Tempo: 24 min.

19:00 às 22:00 - UEG Cora Coralina

Atividade Cultural
Fernanda Cruz

MESA REDONDA 2

Cleber Adriano Rodrigues Folgado
GT Agrotóxicos e Transgênicos ABA

Ranielle Caroline de Sousa
Universidade de Brasília (UnB)

Fernando Cabaleiro
Naturaleza de Derechos - Argentina

Naiara Bittencourt
Campanha Permanente contra os Agrotóxicos e Pela Vida

Pedro Serafim - Mediação
Fórum Nacional de Combate aos Agrotóxicos

À partir das 22:00 - Mercado Municipal

Atividade Cultural
Grupo de Dança do Quilombo Alto Santana

Grupo Vozes Coralinas

Banquetaço


Chefs de cozinha fazem ‘banquetaço’ em defesa do PNaRA - Política Nacional de Redução de Agrotóxicos

13/12/2018 (Quinta-Feira)

08:00 às 12:00 - Cine Teatro São Joaquim

CINE DEBATE
Agrotóxicos e Audiovisual

Sinopse: O filme foi produzido e dirigido por Pablo Ernesto Piovano, na Argentina em 2014. Retrata um genocídio silencioso. Revela e denuncia os impactos que tem gerado vítimas das políticas e atividades das multinacionais do agronegócio. A obra é o resultado de viagens a regiões agrícolas da Argentina realizadas pelo diretor para retratar vítimas de contaminação por venenos que se utilizam em cultivos transgênicos.
Direção:Pablo Ernesto Piovano.
Tempo: 11 min.

Sinopse: No dicionário, agroecologia: agricultura sustentável que agrega conhecimento científico e conhecimento tradicional. Sem fertilizantes industriais e agrotóxicos. Agrofloresta: culturas agrícolas com emprego de espécies para restaurar florestas e áreas degradadas. No Acampamento José Lutzenberger, Mata Atlântica, Estado do Paraná, os termos do dicionário ganham vida por meio de histórias pessoais e de famílias inteiras. E também por evidências de que um outro modelo de produção de alimentos e preservação da biodiversidade é possível. Célia cultiva hortaliças, diz que seu psicólogo é a mata e relembra os dias num bairro marcado pelas drogas. Valdineia conta como ela e os filhos nunca mais tomaram remédios. Luzinete recorda as lutas contra jagunços e fazendeiros. Hoelington fez curso técnico e compartilha o que aprendeu com a comunidade. Jonas, memória viva da comunidade, fala da satisfação de recuperar um olho d´água e a mata ciliar de um rio.
Direção:Beto Novaes.
Tempo: 33 min.

Debatedores

Pablo Piovano - Diretor/Fotógrafo

Beto Novaes - Diretor

Dagmar Talga - Mediadora

08:00 às 12:00 - Igreja do Rosário

Atividade Cultural
Frei Mingas

LANÇAMENTO LIVROS

Bate-Papo com Autores

Isolete Wichinieski
Comissão Pastoral da Terra

Frei Paulo Cantanheide, OP.
Comissão Dominicana de Justiça e Paz do Brasil

Leonardo Melgarejo
Associação Brasileira de Agroecologia

Cléber Folgado
GT Agrotóxicos e Transgênicos ABA

Suzi Pereira Simon
Escritora

Scharleth Martins
Jornalista/Escritora

Renato Barcelos
Associacao de Juristas pela Democracia - AJD

Lidia Roberta de Matos Amaral
Quilombo Pérola do Maicá Santarém/PA

Milena Argenta
Centro Feminista de Estudos e Assessoria - CFEMEA

Marcelo Cervo Chelotti
Universidade Federal de Uberlândia - Mediador

14:00 às 17:00 - Cine Teatro São Joaquim

MESA REDONDA 3
Lutas e resistências aos agrotóxicos

Gladstone Leonel Júnior
Universidade Federal Fluminense

Miryam Gorban
Universidade de Buenos Aires

Bel Coelho
Master Chef

Valdir Misnerovicz
Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST)

Vicente Almeida - Mediação

17:00 às 19:00 - Cine Teatro São Joaquim

ENCERRAMENTO E MESA CONVERGÊNCIAS

Representantes dos Grupos de Trabalho
Leitura e Aprovação de Cartas, Declarações e Recomendações do Evento

Leonardo Melgarejo
GT Agrotóxicos e Transgênicos – ABA
Murilo Mendonça Oliveira de Souza - Coordenação
Universidade Estadual de Goiás - UEG/GWATÁ

Atividade Cultural
Bloco da Agroecologia - Participação do Bloco do Caçador

19:00 às 22:00 - Mercado Municipal

Fiesta de la Pachamama

Shirlei Odara e Banda

Cambalombra

Paula de Paula

Conheça a Cidade de Goiás

Campanha de doações para o evento

O “I Seminário Internacional - III Seminário Nacional: Agrotóxicos, Impactos Socioambientais e Direitos Humanos”, em sua terceira edição, a ser realizada na Cidade de Goiás/GO, entre 10 e 13 de dezembro de 2018, tem como objetivo geral estabelecer espaço de divulgação científica e popular em torno da temática dos agrotóxicos, assim como consolidar espaços de formação e articulação (nacional e internacional) sobre os direitos humanos no que se relacionam à questão dos impactos socioambientais gerados por estes produtos e pelo modelo de desenvolvimento que os sustentam. Objetiva ainda consolidar uma rede internacional de pesquisadores nos campos da saúde, meio ambiente, direitos humanos, comunicação e cultura, para fortalecer o desenvolvimento científico-tecnológico nas diferentes áreas envolvidas na investigação sobre os agrotóxicos.

A proposta de realização do “I Seminário Internacional - III Seminário Nacional: Agrotóxicos, Impactos Socioambientais e Direitos Humanos” atende a uma demanda de ampliação e consolidação do debate internacional sobre a questão dos agrotóxicos e sua relação (a partir da saúde e meio ambiente) com os direitos humanos. Neste evento, além do fortalecimento da articulação nacional, esperamos fortalecer rede de pesquisadores internacional. Participarão representantes de instituições de pesquisa e direitos humanos da Argentina, Uruguai, Paraguai, Bolívia, México, entres outros, além da participação da pesquisadora e ativista indiana (Vandana Shiva) referência mundial na temática dos agrotóxicos e da agroecologia.

O evento será constituído por conferências, mesas redondas, espaços de diálogo e grupos de trabalho, estabelecendo relações sólidas e construindo caminhos a partir das pesquisas apresentadas. Esperamos contribuir com o desenvolvimento científico e popular da temática, fortalecendo também a inserção e/ou fortalecimento dos saberes populares neste debate. Os Espaços de Diálogo serão momentos para apresentação de trabalhos a serem enviados livremente pelos participantes, enquanto os Grupos de Trabalho serão espaços para debate e articulação em torno da questão dos agrotóxicos e da resistência popular ao modelo de desenvolvimento baseado nestes produtos.

No entanto, como o evento não tem financiamentos, e as inscrições de participação, bem como de apresentação de trabalhos são gratuitas, em nome do I Seminário Internacional e III Seminário Nacional: Agrotóxicos, Impactos Socioambientais e Direitos Humanos, estamos por meio desta solicitar apoio para realização deste, tendo por objetivo angariar fundos para o custeio de toda a produção do evento, como: transporte, alimentação, hospedagem (palestrantes, movimentos sociais, povos tradicionais, povos originários, etc,.), materiais gráficos, combustível, etc,.

Para tanto, buscamos a captação de recursos para que o evento possa ser realizado, tendo em vista que o custo estimado será de (R$ 120.000,00). Aceitamos doações de qualquer valor. Salientamos que toda a contribuição será bem-vinda e fundamental para a realização deste evento.

As doações serão realizadas pelo Pag Seguro em nome do integrante do Gwatá Janiel Divino de Souza.

Certos de sua colaboração, agradecemos.

Click Aqui para Doar
Endereço: Av. Dr. Deusdeth Ferreira de Moura Bairro: Centro CEP: 76600-000 Cidade: Goiás - GO Telefone: (62)3371-4971 Email: gwataueg@hotmail.com Coordenador: Murilo Mendonça Oliveira de Souza